sábado, 28 de janeiro de 2012

A Trilha Sonora

http://www.youtube.com/watch?v=PCkT4K-hppE
(Pequeno manual de instruções: colocar a música do link ao fundo em uma segunda aba do browser e deixar tocar por aproximadamente 40 segundos, para adentrar a ambiência do texto. Só então retirar a pausa da leitura para acessar integralmente a experiência)


Preparada a cavalgadura entre as corcovas do camelo: almofadas persas, sedas multicores, rebrilhos. Acessórios que eram palavras vindas de longe e agora escoltavam de volta ao longe, deslocavam pelo encanto. 

Pernas compridas, de observatório, tem o animal. Entre as preferidas de Dalì. Erguendo-se, desaprumado, um elevador de patas alçando a vista.  Todo gerúndio, musculatura em movimento. 

Ali de cima ser era mais amplo. O mundo que balance lá embaixo! O olhar dança. A cada passo do improvável bicho a estrada ondula. Ao invés de curvas, parábolas. O camelo engendra pequenos, imaginários precipícios. 

Ao moverem-se os flancos, o caminho soluça, o horizonte ziguezagueia. Os olhos são odaliscas sem véus. O olhar, redobradamente, dança.

10 comentários:

  1. Continua?

    Não quero parar de dançar da altura do teu mistério.

    Amo você.

    ResponderExcluir
  2. Essa foi minha única refeição do dia. Banqueteei! Quando fui da música para a leitura, flagrei-me olhando à volta para certificar de ter selado comigo o segredo dessa travessura. Só você sabe qual olhar foi o que por mim viajou! Falando nisso, se não chover, eu vou lá!

    ResponderExcluir
  3. Fez sol intenso aqui dentro. Do peito. Desses de torrar o azul e fazer os telhados da cidade antiga vibrarem, no horizonte, de um olhar, vertiginosamente, pousado sobre o extremo.

    ResponderExcluir
  4. Mereci nesta semana 3 epifanias em minhas terras quase desertas. Acreditei na misericórdia divina. Embora em minhas orações eu só peça que essa literatura sua continue fazendo bem ao mundo.
    E como faz.

    ResponderExcluir
  5. Fiz exactamente como disse.
    De todas as figuras de estilo, dizer que admiro o que escreve é um eufemismo.
    Um beijinho,

    ResponderExcluir
  6. Adorei este texto!
    ...senti calor, tive sede, aconcheguei-me nas corcovas do camelo e, ás tantas, já não sabia se estava no deserto...ou à deriva no alto mar revolto e contorcionista...
    Fiquei fã...não do camelo,mas de ti!!
    Beijocas
    Graça

    ResponderExcluir
  7. As odaliscas são as metáforas, que seduzem...Gostei que citou Salvador Dalí.Belo!!

    ResponderExcluir
  8. Ouvir fez toda a diferença... Estou aqui em cima, sendo, nessa amplitude proposta, desejando que o mundo balance lá embaixo, enquanto meu "olhar, redobradamente, dança".

    Sensação incrível!

    Estava com saudades de você!

    Beijos

    ResponderExcluir