terça-feira, 15 de março de 2011

Reptilia

Quando morávamos em Jaguaruana, interior do interior do interior do Ceará, meu pai tinha a delicadeza de guardar os pequenos ovos, encontrados no chão do quintal poeirento da nossa casa, no bolso do paletó. Pendurava no guarda-roupa aquela inquietante latência.

Conferia o status da gestação diariamente, examinando os ovos como ultrassonografias na contraluz. Quando a casca começava a rachar, levava-os de volta ao quintal. E, acocorados em volta deles, esperávamos.

Eram cobras que, invariavelmente, eclodiam dos pequenos ovos. Mas meu pai, juiz consciencioso, não queria correr o risco de matar passarinhos inocentes.

Aos filhotes de cobra executava objetiva e eficientemente, como os que apenas cumprem sentenças, dispensados de fazer juízos de valor. As cobras já nasciam biblicamente culpadas.

Um dia, a pequena cidade acordou em polvorosa. Mataram! Mataram a D. Lalinha! No dia do júri, o marido, réu confesso, explicou que a esfaqueou repetidas vezes, nos olhos e na garganta, para que ela aprendesse a não ficar por aí, dando desfrutes com forasteiros.

No processo, ficou comprovado que o forasteiro havia batido respeitosamente à porta  de D. Lalinha, cumprindo os costumeiros "ô de casa", para pedir um copo d'água e assuntar quando acaso saía o próximo ônibus daquele cidade-beco, sem-saída.

O marido chegou do trabalho e viu o tal forasteiro se afastando de sua casa, a mulher debruçada à janela, acenando com um sorriso.

Condenado por homicídio qualificado, o marido não demonstrava remorso. O que é que queriam que ele pensasse?

Aprovar, não aprovavam. Mas, estranhamente, parece que o compreendiam. Ali, as mulheres, assim como as cobras, também nasciam biblicamente culpadas.

21 comentários:

  1. Destino de mulher, a palavra cobra, também é feminina, e arrasta em seu significado a dívida.

    ResponderExcluir
  2. outro dia senti uma pena quase cristã, mas depois lembrei que sou ateu...

    ResponderExcluir
  3. Nesse mundo cão, nós mulheres já nascemos condenadas por possuirmos racha meio ao corpo, qual o propósito disso? Quem concedeu aos possuidores do falo o cargo de julgadores?
    Subjulgadas! Resignação?! Nem fudendo!
    A omissão rende as melhores fotos, como a do belo conto. Brademos!

    ResponderExcluir
  4. em tempo, corrigindo:
    subjugadas: sem L, plis.

    ResponderExcluir
  5. Ótimo conto!

    A conclusão é perfeita, embora essa seja uma triste constatação. Nascemos condenadas, mas podemos mudar o texto da nossa própria história. Mesmo sabendo que algumas mudanças sugerem dores maiores e riscos incalculáveis. Mas a vida é um risco; um risco necessário ao espírito, por isso mesmo quem não arrisca, não vive plenamente.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Minha amiga-irmã, se não for essa dívida sem fundo da humanidade que nos leva a todos de arrasto...

    Nina, e eu já estava viajando no neologismo. Achei que era sub-julgada, pelo fato de os julgadores, isto é, os portadores do falo, não estarem à altura de nos julgar rs rs rs...Ai esse vício de interpretar toda palavra :-) rs rs rs

    Érica, sabe que eu adoro que a mulher seja "responsabilizada" por querer experimentar da árvore do conhecimento? Pensa só: é mesmo a nossa cara! Adão achando tudo ótimo, Eva vai lá e provoca a primeira D.R. da Criação, uma D.R., diga-se de passagem, com o próprio Criador! É uma excelente metáfora, na verdade. A história em si não é o problema. O problema é a interpretação oficial ;-)

    Papagaio, pena cristã é ótimo! Já não bastava a culpa? ;-)

    ResponderExcluir
  7. Biblicamente culpados, Roberta, nascemos todos nós: devemos seguir os mandamentos e, portanto, se formos bonzinhos na Terra, vamos morar no céu. Beijos

    ResponderExcluir
  8. O comentário lá foi melhor que o texto. Aqui, nem se diga. Emocionante, inteligente e oportuno.

    ResponderExcluir
  9. Roberta,
    Uma prosa impregnada do talento de contar. Um conto verdadeiramente interessante.

    ResponderExcluir
  10. Roberta, muito bonito o texto, me deixou pensando em tanta coisa! Beijo grande, Tati

    ResponderExcluir
  11. É deliciosamente irônico ler "as mulheres, assim como as cobras", se se pensar a que elas são tão sempre aludidas, pelo seu desenho fálico...

    Belo, belo texto!

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Sempre que penso nas serpentes me divido entre o medo e o respeito. Por ignorância? Não. Por temer reconhecer nelas algum parentesco. Refiro-me a estes seres que se arrastam em realidades inseparáveis e no momento em que isso acontece acabamos por entrar em freqüência vibratória com a mente delas, no geral, tomadas por perversas. Níveis profundos de comunicação podem estabelecer-se com este animal, sobretudo quando nos permitimos entrar em seu reino e compreendê-los a partir deles mesmos. Tive uma infância miserável. Não raras vezes, eu e meu irmão éramos colocados debaixo de árvores, sob o halo espectral da natureza, e naquela passarela aberta para o sobrenatural, até mesmo as cobras sabiam distinguir o bem do mal. Ainda recordo aquela tarde em que eu brincava com uma, se a memória não me trái, pelo colorido, arrisco uma coral. Acredite ou não, ficamos frente à frente, e não senti nela qualquer desejo de me ferir. Ao contrário, ela me fazia rir. Por incrível que pareça eu a via como uma janela concedida por Deus para que eu pudesse ter uma dimensão transpessoal do que deveria ser superado, controlado ou re-expressado. Com elas aprendi a formidável receita da transformação. A capacidade de mudar de pele, de nome, de cidade, até ser outra. Lamento profundamente que seu lado positivo tenha sido esquecido, porque se levarmos em conta o seu aspecto simbólico e ancestral entraríamos em órbita com a sua energia psíquica, talvez por temer que elas se alinhem também com as nossas vidas. Quisesse ter eu o antídoto para curar-nos destas ideologias. Tivesse eu a chave daquela passagem secreta eu lhe daria, para que você, na qualidade de poetisa, pudesse encontrar um modo de entender melhor as circunstâncias dessa força específica, e tirar até das serpentes essa simbologia negativa. Roberta, já parou para pensar porque a cobra é usada como símbolo da medicina?

    Mordi a língua. Tinha gosto de veneno, rs.

    ResponderExcluir
  13. Há divindade até na culpa. Você sabe que eu te entendo. - completei.

    ResponderExcluir
  14. Roberta, gostei do seu texto. A cobra é símbolo de sabedoria e está muito ligada à mulher. Escrevi outro dia sobre o mito de Psiquê e Eros e refleti exatamente sobre a obscuridade em que ele viveria, não fosse a curiosidade da moça. Da mesma forma Eva e Lilith, se não subvertessem a ordem estaríamos na escuridão, na ignorância. Adorei poder saborear o fruto da árvore do conhecimento. A cobra nos salvou. Gostei do seu blog. Beijos!

    ResponderExcluir
  15. A Nina não precisava ter se corrigido, Roberta. "Subjulgada", no caso, cai melhor que subjugada.

    Muito bom o texto. E seu pai, uma figuraça!

    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Pipa, querida, ajoelhei-me sobre suas palavras-grãos em penitência, como no dia em que minha mãe gritou comigo porque peguei o cordão espesso e rebrilhoso no quintal e pus em volta do pescoço. Entrei em casa vaidosa de meu adorno, meu tesouro de prata. Desfilei com afetação nobliárquica ante minhas irmãs e minha mãe boquiabertas. Tinha ao colo uma cobra-cega ou cobra-de-duas-cabeças. Mas mãe, eu dizia, esbulhada de minha jóia entre gritos, era macia, entende?, macia!

    ResponderExcluir
  17. e, às vezes, é preciso ser cobra.

    adorei o texto.

    beijo.

    ResponderExcluir
  18. Deve ser por isso que olho para a biblia com maus olhos. hehehehehe. Mas enfim, é o tal livro sagrado que ensina a julgar e condenar. Amém.
    Eu gosto de cobras, o ser rastejante e não o adjetivo. E seu texto me trouxe uma pequena saudade das coisas que o nono fazia como coçar a cabeça dos cavalos por achá-los carente e o cavalo respondia a forma dele. traçavam diálogos demorados e depois se despediam... rs
    bacio

    ResponderExcluir
  19. Adorei isso, "Reptilia".
    Até o conceito de "cobras" precisa ser atualizado...
    A tal condenação sempre me intrigou muito.

    ResponderExcluir
  20. Ah, como eu adoooro seu trabalho aqui no blog.
    Vim por meio desses selinhos, lhe parabenizar por ser tão dedicada e fazer esse trabalho lindo.
    Um superbeijo.
    Fran
    http://nao-digo-que-espero.blogspot.com/p/selos.html

    ResponderExcluir
  21. Minha nossa, Betinha- como dizia o velho Chico Anysio, eu queria ter um filho assim. E você, para nosso orgulho, é nossa filha. Ao começar a ler o texto das cobrinhas ainda no seus ovinhos. Como eu me lembro daqueles ovinhos branquinhos e moles que na minha infância eu espremia e aparecia uma cobrinha com a cabeça desproporcionalmente grande; eu tinha pena porque me lembro que me comparava a elas por ser pequena ainda, mas na cultura em que fomos criados, pensava que seria uma jararaca a menos para nos morder mais tarde o que corrobora o tema do seu conto: as cobrinhas, coitadas, já nasciam com o viés da culpabilidade. Claro que, antes de terminar, chamei seu pai que leu comigo, ambos "proud" da nossa Betoneira, Beldenis, Betunta etc. E seu pai: dá para imprimir que eu quero mostrar a mamãe. Precisamos de um suporte na informática. Manda para o casal de Macabeus rsrs de uma forma que imprimamos e levemos aos quatro cantos do planeta, pois como dizia o seu filósofo avõ Afonso: Pai e mãe é bicho besta...

    ResponderExcluir