quinta-feira, 19 de agosto de 2010

A Cegueira do Olho Mágico


Molho de chave encontrado a esmo, viúvo de portas, empunha inútil o seu segredo. Nem mesmo a concha da fechadura a lhe dar ouvidos. Ao longe, uma campainha estridente carpindo sua perda. O silêncio indefinidamente encerrado dentro.

De vez em quando, a mão inconformada fareja os trincos, a matilha de nós dos dedos a ladrar nervosamente à porta.

A ausência, acuada, estilhaça as vidraças e foge pelos telhados. Amplia seus domínios. Deserta a prisão da casa. Escancara a cidade deserta.

8 comentários:

  1. Estás solta hein amiga! Bom te ver assim!
    Beijos,
    Elis

    ResponderExcluir
  2. É agradável o tilintar de seu molho de chaves.
    Impressão minha, ou tem o som de um bolero?

    Seria ela uma mulher das que se apaixonam ou das que seduzem?

    Entre a curiosidade e o assombro fico com as duas coisas juntas.


    Te recebo.
    Me recebes.


    Gloriosa tua visita.

    Te abraço com cuidado.

    ResponderExcluir
  3. "Ser é um susto"
    Maravilhosa definição, gostei demais.

    Muito grata por sua visita.

    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Be Lins,

    Eu é que agradeço por me inspirar! Meu comentário no seu blog, inspirado no seu texto, acabou virando um micro-texto, que ainda está no forno. Postarei em breve.

    Pipa,

    Tentei escutar o bolero atrás da porta, mas a música tocava baixinho. Só distingui a percussão. Ou era o coração da casa, pisando tábuas? Te cuido com um abraço, o mais aconchegante de mim.

    Amiga,

    Estou tentando mesmo brincar mais de me soltar na cama-elásticas das palavras, esperando que me devolvam peso pelo impulso do salto. Só se pode ir cada vez mais alto ou mais fundo!

    ResponderExcluir
  5. Isso aqui é lindo demais: "a matilha de nós dos dedos a ladrar nervosamente à porta". Estou olhando minhas mãos, os dedos latindo. Doído de tão lindo. Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Ahn mas o que temos aqui?!

    Uma garota que usa e abusa de figuras de linguagem de forma poética e assustadoramente eficaz. Porque não é pra qualquer um transformar uma simples batida na porta em palavras arrepiantes! Isso é dom, moça.

    Um beijo pra voce.

    ResponderExcluir
  7. Agora sim, você está começando a refletir na rede o brilho que é inerente à sua voz, às suas palavras. E eu vou no embalo, conhecendo toda essa gente que tem olhos para ler o belo que nasce de você. Você, pura arte!

    ResponderExcluir
  8. Desvelar as camadas de sentidos, sobreposições, farejar o mistério. É o que propicia o seu texto.

    ResponderExcluir