quinta-feira, 22 de julho de 2010

Mitologia Urbana: O Flerte

Definitivamente, "a bad hair day" concluiu Medusa com os cabelos, serpentinhas filhotes teimando em não lhe assentarem à cabeça. Resignou-se ao balé espasmódico e despenteado dos fios e saiu à rua, olhos fitos na calçada. Da imagem cinética dos passantes destoava um ponto fixo, na curva panorâmica de sua visão. Detectou o homem. Petrificado.

Mas como, se eu nem cheguei a lhe deitar os olhos?

Incomodada, encardiu as retinas no intervalo das pedras portuguesas, evitando ver. E pensou que, se piscasse de forma lenta o suficiente, apagando a figura do homem, quem sabe ela mesma não desapareceria? Tinha, sempre que convinha, uma crença infantil de que a visão deveria reger-se pela elegância dos pactos estritamente bilaterais: de só sermos vistos por aqueles que igualmente nos interessa ver.

Acostumada a fazer tropeçar os homens com seu olhar perdigueiro, desta vez, a coisa acontecia em uma nova configuração. O homem é que a encarava de longe.

Os olhos, lentes que são, esquentam a superfície do que olham quando se demoram muito, convergindo raios. Objeto deles, a mulher ruborizava.

Aquele homem não tomava, como era praxe, a rota de fuga de seus quadris. Seu olhar era exato, na direção inegociável dos olhos. Tão imóvel era o olhar do outro sobre ela que parecia imprimir-lhe uma invisível frenagem. Desacelarava-lhe a marcha. Até que, por fim, estancou.

Em se cruzando os olhares, o resultado é o que todos conhecemos: dois seres marmorizados, medindo-se sem pressa, em plena via. Os outros contornando-os aos esbarrões.

5 comentários:

  1. Eu li, mas estou com a cabeça tão confusa que nao consigo comentar nada interessante como me pareceu ser este post. Muito obrigada por ter reaparecido lá tbm menina, adoro tuas visitas sempre muito agradáveis!!

    Grande Beijo!!

    ResponderExcluir
  2. Dá para imaginar a pintura desse texto, sendo as palavras, pinceladas exatas de um pintor ao estilo de Rembrandt. A captura exata do "turning point" do acontecimento.

    ResponderExcluir
  3. Esses seres que fazem questão de deixar o inegocíavel mais que aparente acabam ganhando a entrada de nos olhar com vagar, por dentro até!

    Bom demais isso dos olhares que se conhecem em cruzamentos.

    :O)

    ResponderExcluir
  4. Ótima sua escrita srta. Obrigado pela visita ao Poesia! Quem Diria? Ótima surpresa poder ler comentário. Apareça mais vezes.

    ResponderExcluir
  5. Olá garota!!!
    Gostei muito do teu cantinho...
    Teus textos são ótimos!!!
    Obrigada pela visita ao meu blog...
    Um abraço carinhoso...
    Ji

    ResponderExcluir